logística reversa

Logística reversa: entenda o que é e como funciona

Você sabia que a empresa também é responsável pelos resíduos que são encaminhados para o cliente quando ele faz a compra de uma mercadoria? Pra gerenciar esses resíduos, ela precisa praticar a logística reversa.

Essa é uma ramificação da logística tradicional que visa minimizar os impactos ambientais provocados pelos materiais que vão parar no lixo comum. Além disso, essa prática pode gerar redução de custos na produção pra muitas empresas, logo, traz diferentes tipos de vantagens e benefícios.

Pra que você conheça mais a fundo a logística reversa, preparamos este artigo mostrando o que ela é e como funciona, sua importância e os tipos que existem. Continue lendo e fique por dentro do assunto!

O que é logística reversa?

Estamos mais habituados com os processos da logística convencional, que fazem a movimentação e o controle de estoque, o despacho de produtos e seu transporte, ou seja, todo o processo que parte da empresa para o cliente. Mas esse mesmo produto e os resíduos gerados a partir dele, como as embalagens, podem fazer o caminho contrário.

Esse é o conceito da logística reversa. Nesse caso, materiais e produtos já em desuso saem das mãos do cliente e voltam pra empresa. A proposta desse modelo é promover mais sustentabilidade nessa relação entre a empresa e o consumidor.

Por meio da logística reversa conseguimos dar a destinação certa pra alguns materiais; ou então, é possível reaproveitá-los em novos processos, minimizando o consumo de recursos e matérias-primas. Isso também promove redução de custos.

A logística reversa é regulamentada pela Lei nº 12.305/2010 que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, assim como pelo Decreto nº 7.404. Nesses documentos fica estabelecido que as empresas têm uma responsabilidade compartilhada pelos ciclos de vida dos produtos e a logística reversa.

Isso significa que cabe a elas adotar medidas que possibilitem fazer o gerenciamento dos resíduos gerados por seus próprios produtos, a fim de minimizar o impacto ambiental e promover a sustentabilidade no consumo.

Como a logística reversa funciona?

No Brasil, algumas empresas devem, por lei, praticar a logística reversa, sendo aquelas que trabalham com produtos como:

  • pilhas e baterias;
  • pneus;
  • agrotóxicos;
  • óleos lubrificantes;
  • eletroeletrônicos;
  • lâmpadas.

No entanto, negócios de todos os setores com produtos que geram resíduos sólidos podem aderir a essa prática. Aliás, ela é fundamental não apenas para a preservação do meio ambiente, já que também é uma estratégia pra melhorar a imagem no mercado.

Na logística reversa, a empresa fica encarregada de ir à busca desses resíduos depois que eles já chegaram às mãos do consumidor. Ela também pode disponibilizar canais pra possibilitar o descarte correto e a entrega de produtos. Logo, a participação das pessoas e do poder público é importante.

Tudo começa com o próprio consumidor, que precisa fazer a devolução da embalagem ou do produto em desuso, seja no comércio ou no próprio local de distribuição. O responsável por receber esse material faz a remessa do resíduo para o fabricante ou o importador.

Em seguida, a empresa dá o destino correto pra esses materiais, que pode ser para a reciclagem, o reúso ou descarte em local adequado. Por isso, forma-se uma grande parceria com cooperativas de coletores e o poder público ao estabelecer a coleta seletiva nos municípios.

Qual é a importância da logística reversa?

Você sabia que no Brasil são gerados quase 80 milhões de toneladas de lixo todos os anos? Isso mostra a importância da Política Nacional de Resíduos Sólidos, mas um outro dado revela que ainda existe muito a fazer, pois apenas 4% de todos esses resíduos são reciclados.

Com a logística reversa conseguimos mudar esse quadro, uma vez que ela incentiva a comunidade a promover a destinação correta de materiais e produtos. Além do menor impacto na natureza, essa prática movimenta a economia.

São cerca de R$ 14 bilhões por ano que o Brasil perde quando não faz a reciclagem adequada do lixo produzido no país. Além disso, é preciso extinguir os lixões, já que o correto é que os resíduos sejam destinados a aterros sanitários ou cooperativas, onde as empresas possam fazer a retirada dos materiais.

Portanto, a logística reversa possibilita:

  • minimizar a poluição do solo e das águas;
  • extinguir os lixões;
  • reduzir a ocorrência de doenças em função da poluição;
  • proteger ecossistemas e biomas;
  • reduzir o uso de recursos naturais;
  • promover o reaproveitamento de materiais;
  • diminuir o custo de produção para as empresas.

Além disso, como explicamos, empresas que adotam embalagens sustentáveis ou recicláveis e aquelas que praticam a logística reversa melhoram sua imagem no mercado. Demonstram responsabilidade socioambiental e, com isso, cativam o consumidor ganhando o respeito dos concorrentes.

Quais são os tipos de logística reversa que existem?

A logística reversa também pode ser classificada em diferentes tipos, dependendo das práticas adotadas, bem como do objetivo desse caminho feito pelos produtos e materiais. A seguir você confere alguns desses tipos.

Logística reversa pós-venda

Envolve os produtos que não foram utilizados pelo consumidor ou que apresentam pouco uso e podem retornar para a cadeia de distribuição pra que sejam reinseridos no mercado. Pode ser praticada no varejo e no e-commerce.

Nos dois, a logística reversa pós-venda é oferecida basicamente pelos mesmos motivos, como quando a mercadoria apresenta algum defeito, se há problemas com a garantia, se for escolhido o modelo errado, se o cliente precisa fazer a troca ou se arrepende da compra.

Para oferecê-la de forma eficiente ao consumidor, é importante adotar uma boa política de fretes. Os parceiros do Magalu Marketplace têm a facilidade do Magalu Entregas, pra fazer esse controle logístico de forma descomplicada.

Logística reversa pós-consumo

Visa garantir que os produtos, depois de serem consumidos, sejam destinados ao descarte adequado. Pode ser feito o caminho de reúso, quando o produto ainda pode ser utilizado por outra pessoa. Quando o produto por completo ou algum dos seus componentes serve como matéria, pode ser destinado à reciclagem.

Por último, é possível seguir o caminho do desmanche, que é quando é feita a separação de peças e componentes para que cada uma das partes seja destinada para reúso, reciclagem ou descarte adequado.

Logística reversa método PRM

Existe, ainda, a logística reversa método PRM (Product Recovery Management), ou seja, administração de recuperação de produtos. O objetivo é recuperar ao máximo possível o produto, tanto em relação aos materiais que o compõem quanto ao fator ecológico. É praticada quando os produtos já foram inutilizados, e podem ser adotadas as seguintes opções:

  • reparo;
  • renovação;
  • remanufatura;
  • canibalização;
  • reciclagem.

Embora a logística reversa seja uma responsabilidade da empresa, existem diversos agentes envolvidos, inclusive o próprio consumidor, que somos todos nós. A destinação correta de materiais e produtos é fundamental pra manter essa cadeia em funcionamento e cada um fazer a sua parte na redução de resíduos e proteção do meio ambiente.

Gostou deste post? Então assine a nossa newsletter. Assim podemos compartilhar dicas e informações com você por e-mail!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa