Moda inclusiva: conheça melhor esse nicho!

Gente, o Sebrae de Santa Catarina lançou um relatório de inteligência de mercado bastante interessante sobre moda inclusiva, viu? Aliás, esse é um mercado que deve movimentar US$ 325 bilhões em 2023! Uau! Quer saber mais sobre ele? Nós aqui do blog vamos contar pra você!

Publico-alvo de moda inclusiva

Olha, o público contemplado pela moda inclusiva é menos concorrido e mais específico que a média. Portanto, pode ser considerado um mercado de nicho e, segundo o Sebrae, bem pouco explorado no Brasil mesmo tendo grande demanda.

As pessoas que costumam procurar por produtos de moda inclusiva são pessoas com deficiência, nanismo, gigantismo, transtorno do espectro autista ou obesas. Pra você ter uma ideia, a estimativa do IBGE é que mais de 12 milhões de brasileiros tenham grandes dificuldades pra ver, andar, ouvir ou desenvolveram alguma doença mental. E o mercado plus size, direcionado a obesos, cresce 6% a cada ano.

Principais produtos do segmento

A moda inclusiva precisa não apenas ser bonita, mas também útil pra que as pessoas consigam aproveitar melhor o cotidiano. E as principais peças consumidas nesse mercado mostram isso bem. De acordo com o Sebrae/SC, algumas das mais procuradas são:

  • Roupas, calçados e acessórios com mudanças próprias para pessoas com     obesidade, gigantismo e nanismo
  • Bermudas com abertura na parte da frente para tetraplégicos e paraplégicos
  • Calças jeans com elástico para quem usa fralda
  • Roupas com tecido antibacteriano, bolsa interna e abertura lateral, ideais pra quem não consegue reter a urina e precisa de sonda de alívio

E se você quiser investir nesse ramo e ainda não teve uma ideia de por onde começar é bom saber que também tem várias outras peças que contam com soluções criativa pro público desse nicho!

Estratégias pra alcançar o público

Olha, você já tá no caminho ideal mesmo sem ter começado o seu planejamento! É que uma vantagem de lojas virtuais pra esse público é que as pessoas muitas vezes contam com restrições de movimentação. Nesse sentido, receber o produto em casa facilita muito, né?

Além disso, não são muitas as lojas físicas próximas que costumam ter esse tipo de vestuário! Então, procurar na internet acaba sendo mais prático!


Moda plus size já tá conquistando espaço, mas internet tem mais opções pro público

Agora, também é importante adaptar o seu atendimento a cada tipo de necessidade que pode aparecer! Nesse caso, vale procurar consultoria com um especialista ou buscar informações com o próprio Sebrae.

E leve em conta também que é importante ir a fundo na hora de desenvolver a comunicação com esse público, já que a moda inclusiva também visa o empoderamento dele. Por exemplo, apesar de ser um termo ainda muito usado, não é adequado falar em portador de deficiência. O correto é pessoa com deficiência. E isso é só um começo!

Além disso, pode ser uma boa visitar organizações sociais próximas a você e escutar diretamente sobre as necessidades dos clientes que seu e-commerce quer atingir. Isso vai tornar até mais fácil desenvolver seu marketing, viu?

E, pra começar seu trabalho em moda inclusiva, é interessante escolher um perfil específico. É possível primeiro abordar cadeirantes com a sua loja e aprender o que eles precisam. Depois que já fizer o atendimento direitinho, você pode buscar outro segmento.

Ah, e pra empreender em segmentos de nicho é fundamental pesquisar sobre os detalhes importantes do setor! Quer saber mais sobre mercados de nicho? Tem uma matéria bem legal aqui! 

E pra acessar o conteúdo completo do estudo é preciso fazer um cadastro no Sebrae/SC aqui

Fala sério, fica bem mais simples botar em prática os planos pra sua loja virtual com as dicas aqui do blog, né?

Deixe seu comentário